Total de visualizações de página

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

SEQUENCIA DIDÁTICA CARTA DE LEITOR


Sequência Didática para o trabalho com produção de Carta de Leitor
Introdução[3]
Por que desenvolver uma sequência ou projeto que envolve a produção de cartas de leitor?
A formação de leitores de revistas e jornais impressos e digitais é fundamental para que os indivíduos participem da sociedade acompanhando acontecimentos de natureza econômica, social e política. Assim, a construção de capacidades de leitura de textos da esfera jornalística, tem se constituído, cada vez mais, como uma condição para a formação de sujeitos atuantes nesta sociedade.
A grande quantidade de informações que é veiculada nos meios de comunicação, bem como a diversidade e efemeridade das matérias publicadas, exigem dos leitores o uso de capacidades e procedimentos leitores específicos para que tenham acesso a esses meios o que revela a importância do estudo dos gêneros da esfera jornalística na escola.

Desse modo, observamos aqui a importância do estudo efetivo dos textos jornalísticos – garantindo uma leitura de fato compreensiva - para que o aluno possa se posicionar diante do que leu. Propostas como: rodas de jornal, situações de leitura compartilhada e leitura individual ou em duplas são fortes aliadas nesse processo de conhecimento e apropriação do gênero Carta de leitor.
Vale ressaltar que as cartas de leitor priorizadas para nosso estudo são aquelas publicadas nas seções dos diversos veículos destinadas ao comentário argumentativo do leitor sobre matérias nele veiculadas e/ou sobre procedimentos adotados por tais veículos do processo de publicação. As seções onde essas cartas são publicadas recebem diferentes nomes como: Carta de leitores, Painel de Leitor, Do Leitor, Correio do Leitor, Fórum de Leitores, entre outros.

A finalidade desta sequência é promover a inserção dos alunos na prática de leitores e produtores de textos da esfera jornalística, isto é  ajudar o aluno a expressar sua opinião, posicionando-se diante de uma matéria lida e, além disso, manifestando essa posição por meio de uma carta de leitor.

Para tanto, é preciso:
a)      ler e discutir alguns textos que circulam na esfera jornalística;
b)      ler e analisar algumas cartas de leitor produzidas no contexto primário;
c)       observar como estas cartas (contexto secundário) podem ser publicadas nos veículos de destino, identificando as mudanças que sofrem neste processo;
d)      produzir uma carta de leitor;
e)      revisar uma carta de leitor.

1ª Etapa: Analisando algumas cartas de leitor

Considerando que a leitura compartilhada já faz parte da rotina do 4º e 5º ano essa sequência é complemento do trabalho realizado com leitura de matérias jornalísticas e roda de jornal que devem ocorrer de forma permanente nas salas de ciclo I. É importante evidenciar que quanto maior for a proximidade do aluno com matérias jornalística,  maiores serão as condições de produzir  boas cartas de leitor. 
Objetivos  
·         Conhecer e diferenciar cartas de leitor no contexto primário e secundário (de produção e de publicação).
·         Identificar uma carta opinativa de leitor. 

 Informe aos alunos que farão a análise de duas cartas. Antes, porém,  lerão a matéria que deu origem à carta 2.  
Entregue aos alunos a matéria Telefone celular também é usado para alfabetização (anexo 1), e faça uma leitura compartilhada para que os alunos possam se inteirar do assunto[4].
·         Peça que antecipem, a partir do título, o contexto de produção, subtítulos, o que o texto pode conter (você poderá fazer uso das orientações contidas nas atividades de leitura colaborativa realizadas nos ATPC.)
a)      Explique aos alunos que lerão algumas cartas de leitor para conhecer melhor esse gênero e assim poder produzir uma carta de leitor para ser enviada a uma revista ou jornal.
b)      Leia as cartas 1 e 2 coletivamente e peça aos alunos que descubram qual a finalidade de  cada uma.
Carta 1

Carapicuíba, 31 de março de 2009.

Revista Recreio,
Em primeiro lugar queremos parabenizar a todos que trabalham na produção de uma revista tão legal. Somos alunos da Escola Estadual Professora Marise da Costa Corrêa de Oliveira e adoramos ler todas as edições que chegam aqui na escola. Achamos tudo muito colorido e há seções divertidíssimas.
Nossa professora aproveitou a seção de curiosidades da revista para propor uma atividade para nós. Toda segunda-feira temos a roda das curiosidades e ela sempre lê uma da revista, e assim vamos aprendendo uma série de coisas diferentes.
Por isso, decidimos escrever para a revista. Estamos curiosos para saber como é feito o lápis de escrever e de colorir. Será que vocês podem responder esta questão?
             Aguardamos resposta.
Alunos 2º ano B
Carta 2




Discuta coletivamente com os alunos:
a)      Qual a finalidade das cartas?

b)      Qual delas expressa uma opinião justificada sobre o assunto comentado na matéria que foi lida? Você concordam com o que os alunos escreveram na carta 2?
Carta 2  
Em seguida, peça que leiam e analisem, em duplas, como a carta ficou quando foi publicada na revista.
Carta 1 – Publicada

Toda segunda-feira nossa professora lê uma curiosidade da edição na sala de aula e assim aprendemos uma série de coisas diferentes.
Adoramos!
2º ano B EE Profª Marise da Costa Correa de Oliveira
Carapicuiba - SP
Carta 2 - Publicada (Jornal Correio Popular, 9 de agosto de 2011)

Depois da leitura, discuta coletivamente com os alunos:
a)      A carta foi publicada do mesmo modo que foi escrita?

b)      O conteúdo da carta foi mantido?

c)       O que mudou?

d)      Por que vocês acham que a carta mudou?



Em seguida, solicialize as conclusões dos grupos com a classe toda, discutindo as características principais das cartas no contexto primário (quando foi escrita pelo leitor) e secundário (quando foi publicada).
Principais características
Contexto primário
Contexto secundário



 

2ª Etapa: Conhecendo mais cartas de leitores

·         Conhecer as características do gênero carta opinativa de leitor (os elementos que compõem a carta)
·         Identificar a finalidade, tema e organização das cartas e o posicionamento do autor.
1)      Roda de Jornal[6]: Organizando Mural de Notícias[DE1] 
a)      Organize os alunos em pequenos grupos. Distribua um jornal para cada aluno (ou a quantidade possível) e peça para selecionarem uma noticia para deixar exposto no mural da sala.
b)      Ofereça para cada grupo alguns exemplares de jornal e oriente os alunos a procurarem uma notícia sobre um assunto relevante. Informe que eles deverão ler a noticia e contar para os demais colegas do grupo o assunto tratado, caderno em que foi publicada, data e local de publicação. No caso dos alunos que ainda não tem uma leitura convencional fazer duplas com alunos com leitura mais autônoma em que esses terão o papel de ler para o outro.
c)       Cada grupo deverá eleger uma notícia para socializar na roda de jornal no momento seguinte.
d)     VEJA O QUE MUDEI
e)     Considerando que a leitura compartilhada já faz parte da rotina do 4º e 5º ano essa sequência é complemento do trabalho realizado com leitura de matérias jornalísticas e roda de jornal que devem ocorrer de forma permanente nas salas de ciclo I. É importante evidenciar que quanto maior for a proximidade do aluno com matérias jornalística,  maiores serão as condições de produzir  boas cartas de leitor. 

f)       Organize a sala em circulo ou semicírculo e peça que um aluno por grupo conte sobre a notícia lida, jornal e caderno em que foi publicada, data, local... Os demais participantes do grupo poderão ajudar a complementar com informações que faltarem e for importante para compreensão da noticia.
g)      Dependendo da temática da notícia e da possibilidade de discussão pelo grupo, faça questionamentos a respeito de duas ou três das notícias, apresentada, buscando levar os alunos a emitirem opinião a respeito da mesma, ou ainda, estabelecerem relação com outras situações ou notícias de outros veículos. Cuide para que a roda não se estenda além das possibilidades de efetiva participação dos alunos.
h)      Para finalizar, exponha no mural da sala as notícias selecionadas e apresentadas na roda.
2)      Cartas de leitor: Aprofundando o conhecimento.
A carta 3 foi colocada no final desse documento, uma vez que a grande maioria dos  PC decidiu  não trabalhar com ela.

a)      Peça aos alunos que leiam, em pequenos grupos, as diferentes cartas de leitor escritas para os diversos veículos discutindo:
·         Qual a finalidade da carta?
·         Qual o tema que o leitor discute?
·         Como ele se posiciona diante do tema que discute?
b)      Socialize a discussão dos pequenos grupos e organizar um quadro coletivamente
Cartas
Finalidade
Tema
Como o leitor se posiciona




Carta 4

Mossoró, 7 de julho de 2011

AO CORREIO DA TARDE - RN
Prezado Editor,

Li a matéria publicada na edição de 6 de julho, sobre os acidentes envolvendo motociclistas, e queria dizer que discordo de uma parte do que foi escrito nela, ou seja, sobre os causadores dos acidentes envolvendo carros e motos.
Em minha opinião, ao contrário do que foi escrito, creio firmemente que quem mais causa acidentes são os condutores de veículos de QUATRO rodas.
A moto é o meu transporte preferido, para driblar o lento trânsito mossoroense, e digo que, conforme define o jornal no mesmo artigo, sou motociclista, respeito as leis do trânsito, mas vejo muitos carros cujos condutores não têm o devido respeito com a vida humana. Os maiores sustos que tomei foram proporcionados justamente por motoristas desatentos, ou, no mínimo, descuidados: curvas malfeitas, celulares colados na orelha com só uma das mãos ao volante etc.
São muitas as situações que observamos no dia a dia que mostram o menosprezo de motoristas por motociclistas. Minha opinião, não é voz isolada; em encontros de motociclistas esse assunto sempre vem à tona. Um dos casos relatado por um colega foi o de que um carro derrubou uma moto e o seu ocupante - a condutora do veículo que bateu saiu do carro ainda falando ao celular e ainda achando  que tinha toda a razão!
Saudações,

Juarez Belém – Motociclista- Mossoró /RN
Carta 5

29.05.2011
À
Folha de São Paulo
Sr. Toni Sciarretta,
Em relação à matéria publicada no caderno Mercado em 18-05, em que o Sr. informa sobre a proibição do uso de sacolas plásticas como embalagem a partir de 1º de janeiro próximo, penso que São Paulo demorou muito a tomar a decisão de transformar em lei a proibição.
Todas as vezes que vou ao supermercado fico indignada com a quantidade de sacolas que são utilizadas pelos consumidores que não parecem preocupados com as conseqüências que o uso destas embalagens causa ao meio ambiente.
Só quero lembrar às autoridades que não basta sancionar a lei. É preciso ter uma fiscalização rigorosa e que as multas previstas sejam realmente aplicadas para aqueles que a desrespeitarem. Espero que não se torne mais uma estratégia de marketing pré eleitoreira, como foi com a lei que proíbe os cidadãos dirigirem alcoolizados.
No começo fazem blitz, causam um barulho, mas depois de algum tempo tudo volta ao que era antes: não há fiscalização para coibir as infrações.
Atenciosamente
Josilda Cardoso – professora de ensino fundamental-  São Paulo

c)       Retome as cartas e faça a leitura compartilhada garantindo a compreensão do conteúdo de cada uma delas.

Dica para o professor:
Lembre-se que para essa leitura compartilhada é fundamental que os alunos tenham acesso aos textos seja por meio de uma cópia, seja exposto na lousa.
Ler as noticias que deram origem às cartas  contribui  para a  compreensão do que foi escrito além de nos oferecer  mais elementos e informações para  o momento da análise. A noticia referente à carta 4 encontra-se no anexo 3.

d)      Faça uma primeira análise no coletivo sobre a Carta 4 e levante oralmente  com os alunos:
·         Como a carta começa?
·         Como o autor indica sobre o que falará?
·         Onde está indicada a posição do leitor? Marque no texto.
·         Como o escritor se identifica para o veículo?
·         Como termina a carta?
e)      Na sequência proponha que em duplas discutam e façam a mesma análise com as cartas 5. Peça que registrem:
·         Como a carta começa?
·         Como o autor indica sobre o que falará?
·         Onde está indicada a posição dos leitores? Marque no texto.
·         Como se identifica para o veículo?
·         Como termina a carta?
f)       Socialize as observações das duplas, completando-as, se for necessário, e preenchendo o quadro abaixo.

estudo de cartas de leitor

Como a carta começa
Como o leitor se identifica?
qual o assunto da carta?
Como indica sobre o que falará
Como termina a carta?
Carta 4





Carta 5
Lei que proíbe o uso das sacolas plásticas.
Favorável  à lei, mas reivindica cumprimento da mesma.
Fórmula de despedida – atenciosamente.



Anexo 4 A – Orientação geral para leitura compartilhada/colaborativa das matérias
1.       Leitura colaborativa do texto
Encaminhamento:
1.       Antes da leitura, explique aos alunos que você lerá uma matéria jornalistica. Informe onde foi publicada: jornal, caderno e data.
2.       Leia o título, peça-lhes que comentem que informações acreditam que trará o texto. Deixe que comentem o que sabem sobre o assunto.
3.       Informe que você fará a leitura fazendo algumas interrupções para  que comentem e expliquem o que estão entendendo sobre o assunto tratado no texto.
4.       Leia o texto, fazendo as paradas e perguntas que devem ser planejadas para cada matéria. Incentive os alunos a manifestar opinião. As paradas e  perguntas durante a leitura tem o objetivo de ajudar os alunos na compreensão do texto e de garantir a troca de opiniões. O importante não é os alunos saberem responder certo ou errado, mas ouvi-los, pedir que expliquem o que entenderam, que justifiquem suas reflexões. Propor novas questões durante a leitura, se for necessário, de forma a garantir que os alunos falem o que sabiam ou não sobre o assunto e troquem opiniões sobre o tema abordado.
5.       Algumas vezes, após a exploração inicial, é necessário que a  matéria seja lida na íntegra para depois retomá-la com as questões de modo que os alunos tenham o conhecimento de todo o texto.

PRODUÇÃO DE TEXTO: CARTA OPINATIVA DO LEITOR
O gênero carta de leitor é uma espécie de subgênero do gênero carta (temos carta pessoal, carta de solicitação, carta de reclamação, por exemplo). Isso porque as cartas têm em comum a estrutura básica (por ex. o núcleo da carta). Embora tenham muito em comum elas são variadas em suas formas de realização, seus objetivos, intenções, propósitos (carta de pedido, carta resposta, carta pessoal, carta ao leitor...)
As cartas do leitor diferenciam-se um pouco das cartas tradicionais por apresentarem dois contextos distintos: o da produção original do leitor (contexto primário) e o da publicação (contexto secundário) que sofre processo de editoração realizada pelo editor da revista.
Veja o que Regina Demeterko Stadykoski- coloca em seu texto: As cartas do leitor e o ensino da língua materna :

“Nos jornais e revistas, há um espaço próprio destinado para que as cartas dos leitores sejam publicadas”. Quando uma carta é enviada para a publicação, o leitor precisa identificar-se e é responsabilizado pelo que escreve. Nem todas as cartas são publicadas, pois passam por uma seleção e podem ser resumidas ou parafraseadas. Cada jornal ou revista segue critérios próprios de publicação.
   O propósito comunicativo de uma revista ou jornal pode variar. Os temas podem ser diferentes, assim como um mesmo assunto pode ser abordado de formas variadas. Cada um tem um público alvo (homem, mulher, jovem, criança). Estes fatores influenciam os leitores frente às reportagens, notícias, em outras pedem conselhos, orientações sobre assuntos relacionados à adolescência: gravidez e relacionamentos pessoais.
  A publicação das cartas segue normas, que variam de acordo com cada revista ou jornal, como por exemplo, as que são enviadas à Revista Veja devem trazer a assinatura, o endereço, o número da identidade e o telefone do autor. A seleção das cartas parte de alguns critérios como clareza, conteúdo, que são adotados pela direção da revista. Também, não há espaço para publicação de todas as cartas recebidas. Assim, são lidas, analisadas e somente publicadas as selecionadas pelo editor da seção Cartas e pela direção da Veja.
Além disso, os objetivos das revistas ou jornais devem ser observados, Não se escreve para uma revista de informação como a Veja da mesma forma que se escreve para a revista Capricho, como podemos verificar nas seguintes cartas publicadas em julho de 2008:
Galeraa, Capricho, eu gostariaa de pedir novamente que
vocês façam uma matéria sobre a luta livre (WWE). Sou
fanática e gostaria de saber mais, muito mais desse esporte.
Obrigadaa, Bzo Laizinha Hardy
Laizinha Hardy
Campinas-SP
(Revista Capricho, julho de 2008)

A escola de tempo integral melhoraria muito a condição do
ensino no Brasil, mas essa não é uma premissa para nossos
governantes que alegam falta de recursos financeiros, o que
nem sempre é verdade.
Luiz César Pessoa Pinto
Formiga-MG
(Revista Veja, ed. 2069, ano 41, nº. 28, 16 de julho de
2008, p.37)

   As cartas dos leitores definem-se como gêneros na medida em que elas compartilham um determinado propósito comunicativo e estabelecem uma interlocução do leitor com o meio de informação.
Para fins de exemplificação, reproduzimos a seguir alguns títulos utilizados por jornais e revistas para denominar a seção que traz as cartas de leitores:

Jornais:
Folha de São Paulo: Painel do leitor;
Gazeta do Povo: Coluna do leitor;
O Estado do Paraná: O mural do leitor;
Folha de Irati: Opinião do leitor.

Revistas:
 Veja: Cartas;
 Superinteressante: Desabafa, solte o verbo;
Capricho: Diz, AÍ.


Enfim, a produção deste gênero proporciona um espaço para que o leitor possa expor seu ponto de vista a respeito de qualquer assunto, apresentar críticas, fazer sugestões, discordar de um ponto de vista, participar da formação da opinião pública.
Bezerra(2005) afirma que as cartas do leitor atendem a propósitos comunicativos de elogiar, criticar, opinar, reclamar, retificar, comunicar, agradecer, solicitar, como mostram os exemplos abaixo retirados da Revista Veja em 2008:


·         elogiar:
A reportagem especial “A vida com instruções“ (09 de janeiro)
foi um presente para todos que buscam entender a arte da
convivência e superar os desafios para iniciar 2008 de bem com
a vida.

Hugo Lins Coelho
Recife-PE
(Revista Veja, ed. 2043, ano 41, nº. 2, 16 jan.2008, p. 24)

·         criticar:
Gostaria de deixar registrada a minha indignação com a postura
do governo Lula de mais uma vez aumentar os impostos, sendo
que, com a maior cara-de-pau, disse que não iria fazê-lo, mas,
sim, diminuiria os gastos públicos.

(“Pacote de maldades” 9de janeiro”)
Alexandre Cavalcanti
São Paulo-SP
(Revista Veja, ed. 2043, ano 41, nº. 2, 16 jan. 2008, p. 24)12

·         opinar:
Concordo plenamente com Gustavo Ioschpe e cumprimento pela
oportunidade e clareza com que trouxe à baila um assunto que
tem sido omitido nos debates educacionais. O fato de os
sindicatos terem como primeiríssimo objetivo defender os
interesses salariais dos professores contradiz tudo aquilo que o
Brasil mais necessita na área educacional: professores
competentes e motivados a ensinar aos alunos os conteúdos que
eles precisam aprender e ajudá-los a se organizar para o estudo,
tudo isso em ambiente prazeroso, fruto do bom diálogo entre
professor e aluno.

Ignez
Martins Tolli
Ph.D. em Educação pela Universidade
de Londres
Brasília-DF
(Revista Veja, ed. 2044, ano 41, nº. 3, 23 jan.2008, p. 25)

·         retificar:
Leio toda semana a coluna de Millôr, que considero um ótimo
escritor. Mas na desta semana (“As maravilhosas maravilhas da
natureza”, 16 de janeiro) percebi um equívoco. Ele se refere às
Sete Quedas do Iguaçu, porém elas não existem mais, sumiram
com a instalação de Itaipu. O ponto turístico que hoje pode ser
visitado se chama Cataratas do Iguaçu.

Leticia Corioletti
Joinville-SC
(Revista Veja, ed. 2044, ano 41, nº. 3, 23 jan.2008, p. 26)

·         comunicar:
Em complementação ao quadro “Por que as latas de óleo
sumiram” (Veja essa, 16 de janeiro), destaca-se o fato de que a
substituição da lata de metálica pela embalagem plástica para o
acondicionamento de óleo alimentício decorreu da preferência
         do consumidor brasileiro. Além de resistente e transparente, a
embalagem PET é escolhida pela dona-de-casa por ser prática e
higiênica, contando com a tampa e bico e dosador da
quantidade. A maioria dos fabricantes de óleo combustível
garante o mesmo prazo de validade para o produto
acondicionado em ambas as embalagens, e muitos não utilizam
conservantes.
Carlo Lovatelli
Presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos
Vegetais (Abiove)
São Paulo-SP
(Revista Veja, ed. 2044, ano 41, nº.3, 23 jan. 2008, p. 26)

·         agradecer:
Há cerca de três anos fui a uma dermatologista e, entre outras
coisas, ela me disse que o sol só servia para dar câncer, que
nem brancos nem negros deveriam se expor a ele, jamais! Que
esse negócio de absorção de vitamina D é uma bobagem etc.
Eu saí da sala dessa médica totalmente chocada e arrasada,
principalmente porque sou apaixonada pelo sol. Portanto, foi
com muita alegria que li a reportagem. Os estudos só vieram
confirmar o que já sentia na própria pele: o sol me faz muito
bem do que mal. Agora, sim, vou poder tomar o meu solzinho
com 90% de proteção e 0% de paranóia. E viva o sol, viva o
verão, viva o calor!

Adriana Domingues
Diadema-São Paulo
(Revista Veja, ed. 2044, ano 41, nº. 3, 23 jan. 2008, p. 22)

·         solicitar:

Roberto Civita se expressou com maestria sobre 2007. Cabe
à classe dominante seguir ao menos 50% desse formidável
escrito , e melhorará muito o nosso país. Que seja respeitada a
opinião pública de forma contínua e que nossos políticos
honrem seus cargos e assumam suas personalidades em prol
da sociedade.

Diógenes
Pereira da Silva
Uberlândia-MG
(Revista Veja, ed. 2043, ano 41, nº. 2, 16 jan.2008, p. 31)


Por meio destes exemplos, podemos verificar que as funções reais de uma carta de leitor são variadas, já que podem atender a diversos propósitos comunicativos. Em vista disso, compreendemos que o gênero cartas do leitor é capaz de promover o ensino da língua materna dentro de uma concepção de língua como interação entre usuários e de ensino como trabalho produtivo(não repetitivo).”
                     
(Regina Demeterko Stadykoski- adaptada para fins didáticos do texto As cartas do leitor e o ensino da língua materna)



Como vimos na maioria dos jornais e revistas, há uma seção destinada a cartas do leitor ― em geral conhecida como "Cartas à Redação", "Painel do Leitor", entre outros títulos.

Essa seção oferece um espaço para que o leitor faça elogios ou críticas a uma matéria publicada, ou mesmo sugestões. Os comentários podem referir-se às ideias de um texto, com as quais o leitor pode concordar ou não; à maneira como o assunto foi abordado (neste caso, um leitor mais conservador pode afirmar que determinada questão foi tratada de forma muito liberal); ou à qualidade do texto em si (pode-se achar que o autor abusou de clichês, por exemplo).
É possível também fazer alusão a outras cartas de leitores, para concordar ou não com o ponto de vista expresso nelas.

A linguagem da carta do leitor costuma variar conforme o perfil dos leitores da publicação. Pode ser mais descontraída, se o público é jovem, ou ter um aspecto mais formal.

Esse tipo de carta apresenta formato parecido com o das cartas pessoais: data, vocativo (a quem ela é dirigida), corpo do texto, despedida e assinatura. Porém, quando necessário, a equipe de redação do jornal ou revista adapta as cartas do leitor a seu estilo e as reduz para encaixá-las na seção reservada a elas, mantendo apenas uma parte do corpo.
O objetivo do leitor ao escrever uma carta do leitor é tornar pública sua ideia e se sentir parte da informação. Quando redigimos uma carta como essa precisamos ter claro que, se publicada, será lida por muitas pessoas. Por isso, requer revisão, clareza nas ideias expostas, observar se não há repetições de ideias, se a grafia e a pontuação estão corretas. Se citar exemplos cuide para que sejam verdadeiros. Seja polido, pois você será responsável por tudo que será publicado.

Quando publicadas, as cartas costumam ser agrupadas por assunto. Assim, reúnem-se as que se refiram à mesma notícia ou reportagem em um mesmo bloco, que recebe um título.

Algumas redações de jornal contam com os serviços de um ombudsman ― pessoa contratada para criticar as matérias jornalísticas publicadas e, sobretudo, para verificar as críticas e sugestões dos leitores e depois expor seu ponto de vista.

Texto organizado para discussão interna de formação por Elenita Neli Beber.








[1] Proposta originalmente elaborada pela formadora Elenita Berber de Souza.
[2] Proposta reorganizada com adequações por Célia Prudêncio a partir das discussões,   
   contribuições e  sugestões  dos  professores coordenadores.
[3] Renata Frauendorf.
[4] Todas as sugestões de inserção de atividades e substituição de textos seguem em anexo. 
[5] Essa carta foi usada como modelo pelo fato de se apresentar nos dois contextos (primário e secundário). Dois aspectos importantíssimos para o objetivo que se tem com o estudo das cartas.
[6] Renata Frauendorf.






 [DE1] NÃO Grampear o jornal numero de exemplares adequados a numero  de alunos. Não adianta oferecer 1 exemplar apenas para um grupo de 6 alunos por exemplo. No mínimo 2 .
Deixar claro que não precisam ser jornais do mesmo dia e mesmo veiculo. O interessante é justamente variar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário